Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

 

Sinto-me mal. Borboletas nas entranhas, um ferro espetado da têmpora ao ouvido. Um zumbido constante, uma música sinistra nas veias azuis fininhas dos pulsos. É o veneno a actuar. Sento-me à mesa e obrigo o corpo a funcionar. Entrada, álcool, bife, cafés. Olear a maquinaria. Dizes-me com ar carrancudo que não posso falar da minha geração, tenho que falar por mim, um indivíduo apenas, uno. Eu, com o organismo único desfeito em partículas ácidas, reafirmo que a minha geração chegou ao poder. Esta semana estão todos zangados, a ser despedidos ou a caminho da prisão, um festim. É mesmo caso para falar de geração, é uma identificação clara. Não percebes nem o meu ponto de vista nem a ironia e, como um quadro vivo, o ex-assessor na travessia do deserto senta-se na mesa ao lado. Não digo nada mas olho para o camelo e vejo o miserável estado da nação. Nos jornais pendurados na parede do café está a geração na primeira página a caminho do cadafalso. Toma lá estas fotografias tão bonitas, que eu não posso falar senão vomito. No espelho da casa de banho confirmo se as olheiras estão no sítio, se hoje os ossos estão mais à mostra. Tudo como esperado, saio mais descansado. Queres ir beber champanhe e eu prefiro ir comprar livros e ruminar o veneno a andar na rua gélida. Na livraria roubas-me um beijo na fila da caixa e eu sinto-me infantil. Que não, não, não posso finalizar as coisas assim, tenho de reescrever a história. Não é esse o fim, dizes-me, mais uma vez. E eu, envenenado até à tíbia, não tenho palavras que cheguem para a evidência de certas frases. Há pensamentos que são cicuta.



afonso ferreira às 17:43 | link do post | comentar
|

6 comentários:
De Sandra a 18 de Fevereiro de 2010 às 20:43
Este pequeno texto deixou-me miserável...não se trata apenas de sentir as coisas na pele, já que normalmente vai bem além do físico. E a isto chamas de "ficção sem consequências"?


De afonso ferreira a 19 de Fevereiro de 2010 às 02:12
Posso mudar para "ficção com consequências"...


De Sandra a 19 de Fevereiro de 2010 às 02:32
A minha questão foi mais uma observação do que propriamente uma reivindicação (até porque não estou em posição de o fazer). Aquilo que escreves afecta as pessoas que te lêem e obviamente mexe em primeiro lugar contigo. Se isto não é ter consequências, não sei o que será. De qualquer forma, agora que estou recomposta, posso dizer-te que é um texto muito bom, tão bom que até dói! Beijo


De leo mandoki a 18 de Fevereiro de 2010 às 22:17
não sei exactamente o que dizer sobre o texto, mas sei apenas que senti algo que possas ter tbm sentido ao escreve-lo...há algo neste país, nesta sociedade, que me (nos) empurra para sítios estranhos, emaranhados, confusos, podres....gostei do beijo roubado nas escadas a caminho de uma livraria..


De Manu a 18 de Fevereiro de 2010 às 22:18
Uma overdose de beleza :)


De Vanessa Sousa Dias a 19 de Fevereiro de 2010 às 00:37
"Na livraria roubas-me um beijo na fila da caixa e eu sinto-me infantil." Esta passagem é quase adorável, há uma terna sensação de embaraço (mas é comovente, tão comovente).


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds