Quinta-feira, 11 de Março de 2010

 

Precisei de três décadas e mais uns pauzinhos para compreender o motivo de comemorarmos os aniversários. Nunca percebi as pessoas que não gostam de celebrar a passagem de mais um ano nas suas vidas mas também não tinha uma explicação para esse desagrado. Nos últimos dias, submerso em vários jantares e festas de anos de familiares e amigos, incluindo o meu, finalmente percebi. O que interessa não é apagar as velas, não é a cantilena que confesso não suportar, o que é vital é termos a oportunidade de um dia por ano fazermos o balanço da nossa vida e brindarmos ao facto de estarmos vivos. Parece uma ideia simples mas é mais complexa do que parece. Nos últimos três anos morreram pessoas importantes na minha vida e uma que era costume estar presente na minha festa já não esteve ao meu lado agora. De ano para ano acumulam-se as cadeiras vazias e a lei mais natural do mundo e que prova que estamos vivos é que voltamos a ocupar os lugares com novas pessoas, se tivermos sorte tão importantes como as que faltam. Quem escolhemos para comemorar connosco é o reflexo da nossa vida actual. Quem riscamos da lista também diz muito de nós e se à partida poderá significar amizades que se extinguiram ou pessoas que simplesmente já não são importantes, no fundo significa as nossas expectativas futuras. Aquilo que já não faz parte da nossa vida também nos define. Diz-me como e com quem passas a noite do teu aniversário e dir-te-ei quem és. Como declarava ontem uma pessoa sentada no jantar de aniversário onde me encontrava até para o ano se cá estiver. 



afonso ferreira às 10:36 | link do post | comentar
|

12 comentários:
De silent words a 11 de Março de 2010 às 11:04
Parabéns! Por mais um ano de vida e pelo blog!
e é mesmo isso, com o passar do tempo é que damos valor a certas coisas, a certas pessoas, e descobrimos que há outras que afinal nem nos interessam assim tanto! as que gostamos convém mimá-las e fazê-las saber de que gostamos delas. amanhã pode ser sempre tarde demais.

um beijo,
ssw


De afonso ferreira a 11 de Março de 2010 às 11:08
Obrigado silent words


De Vera a 11 de Março de 2010 às 11:24
Parabéns Afonso!
Quanto ao tempo que passa...sim, é triste que a sua passagem vá eliminando das nossas festas de anos pessoas que não queríamos nunca riscar da lista. POr vezes, as mais importantes na nossa vida, antes daquelas que elevamos ao posto de importantes. Sim. Sei o significado dessas perdas. Mas também sei o significado dos ganhos que vamos conquistando. Dos afectos que vamos cultivando. Dos abraços e beijos que vamos seleccionando. O tempo que passa. É cruel, vai-nos levando, sem hipótese de voltar atrás. E reconhecer essa inexorável viagem, sem retorno, nem sempre é fácil. Mas, apesar de tudo, é bom viver.
Um beijo (porque quero dar-to, sem te conhecer!).


De afonso ferreira a 11 de Março de 2010 às 13:36
Obrigada Vera, abraços


De Margarida a 11 de Março de 2010 às 15:57
É mesmo isso! Parabens!


De afonso ferreira a 12 de Março de 2010 às 13:23
Obrigado :)


De Ag a 11 de Março de 2010 às 20:29
Parabens! Hoje ja nao celebro o dia dos meus anos... E tenho pena.
Seja feliz e continue a escrever para o poder ler.
Ana G.


De afonso ferreira a 12 de Março de 2010 às 13:22
Obrigado AG


De Mar a 11 de Março de 2010 às 22:01
A este post eu atribuiria a categoria que tenho lá no tasco, "Tergiver(filosof)ando".
Tão certo, tão verdade.
Que contes muitos mais, com pessoas. As que escolheres em cada altura.:-)


De afonso ferreira a 12 de Março de 2010 às 13:22
Uma palavra com categoria


De Lisboa na ponta dos dedos a 15 de Março de 2010 às 11:10
não sabia que o homem da cidade era atlântico como eu. dia 11?
o teu texto fez-me muito sentido. se o número assustar por ir aumentando a frase será sempre, "o pior seria não os fazer".
sobre a dança das cadeiras, este ano só conseguir estar com 3 amigos de cada vez. algumas pessoas não perceberam tal vontade, mas a verdade é que dou cada vez mais importância às conversas únicas numa mesa. no meu dia ainda mais. :-)
parabéns atrasados.


De afonso ferreira a 15 de Março de 2010 às 11:55
Obrigado Sancha. Dia 3...


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds