Quarta-feira, 17 de Março de 2010

 

O mafioso italiano Pasquale Manfredi, um dos mais perigosos no seu país, foi detido. Este magnífico desfecho deveu-se a ter criado uma página no Facebook com o prosaico nome de Scarface. De uma assentada arrastou para a lama a nossa ideia cinéfila de ganster e demonstrou o perigo da vida online.

Sempre defendi que as redes sociais são apenas um reflexo da realidade. Entrar no Facebook é o mesmo que ir a um bar: podemos encontrar uns amigos e ter conversas estimulantes, levar com um alcoólico de vez em quando e com sorte conhecer alguém interessante. Tal como numa saída nocturna, beber um copo não faz mal, há até quem defenda que um copo de vinho tinto faz bem ao coração, mas o excesso pode provocar cirrose. Há muitas pessoas a alertar para os perigos das redes sociais mas só esta semana fiquei convencido que o inferno pode adquirir muitas formas. 

Há uns meses fui aliciado para entrar numa rede social por um amigo. Registei-me mas nunca frequentei a rede. Esta semana recebi uma mensagem pessoal misteriosa com um link. Não resisti a entrar. Em meia hora fui assediado 64 vezes por chat e mensagens. A maior parte dos contactos eram inócuos – Olá, Queres teclar? Queres ser meu amigo? –, outro foi de tal forma ofensiva em termos de conteúdo sexual que a minha educação não me permite reproduzir e apenas um chamou-me a atenção. O texto era bem escrito e demonstrava uma pessoa bem formada. As fotos, como dizer, eram muito apelativas. E ainda rematava com informações pessoais para que pudesse confirmar que não estava a lidar com uma descontrolada qualquer. Resolvi responder e assim dar razão ao Miguel Sousa Tavares, há um mundo de engate desvairado nas redes sociais.

No dia seguinte, a tentar domar a insónia, ligo a televisão e assisto a uma entrevista a um palhaço, dos verdadeiros, com nariz vermelho e sapatos de meio metro. Quando já estava quase a mudar de canal porque o palhaço tinha tudo menos piada, ele disse umas palavras mágicas. Duas palavras apenas, o nome de uma pessoa. Fiquei a pensar se não seria um amigo da minha adolescência. Lembrei-me de fazer uma busca no Facebook e encontrei a pessoa que procurava à primeira tentativa. Deus fala certo pelos palhaços errados.

Daí a ter encontrado outras pessoas que perdi o rasto há quase duas décadas foi um instante. Fiquei a saber que o amor da minha adolescência tem cabelos brancos e é contabilista. Que uma das minhas melhores amigas, de boas famílias e sempre empertigada vestida de Ana Salazar, rendeu-se aos ácidos. Tive de ver várias fotos dela com orelhas de duende para confirmar que era a mesma pessoa. Não são só as redes sociais que fazem mal, os ácidos também. Soube que dois deles casaram, um morreu, vários emigraram, uma é médica, outra rendeu-se aos encantos do bondage. Vi fotografias antigas, vi recentes e mais estranho ainda foi ver uma fotografia tirada na antiga sala de estar da minha família. Li descontrolos de amizade e de amor, ódios antigos, recados dados. 

Finalmente depois de tantos anos na net abri a caixa de Pandora. Desliguei o portátil e fui beber um whisky para o terraço à espera do dia amanhecer.



afonso ferreira às 15:49 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De Isa a 17 de Março de 2010 às 19:22
:) sem tirar nem pôr! Parabéns.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds