Sábado, 27 de Março de 2010

O tiroteio

 

I.

Os excessos de euforia podem trazer tantos problemas ou mais do que os estados melancólicos. Um mergulho numa festa frenética regada a álcool e muitos disparates na pista de dança podem conduzir a uma operação stop. O que pensamos de madrugada numa avenida atafulhada de polícias e bêbados pode ser muito estimulante. Depois de namorarmos com a maquina e ela devolver-nos a afeição em números elevados resta-nos esperar pela sentença. 

 

II.

Podemos optar por aceitar que a leitura está correcta, que é a percentagem de veneno que nos corre nas veias e colocar a cabeça no cepo sem grande alarido. Podemos contestar, dizer que as máquinas também são humanas, não acreditar termos bebido tanto, ir ao hospital fazer umas análises e dar um passeio ao tribunal para dizer de nossa justiça. Faço um cálculo rápido, apressado por três pares de olhos policiais interrogativos e volto à adolescência. Aos anos que andei a conduzir sem carta, às bebedeiras a dar ao acelerador, à vez em que parti o separador central da ponte 25 de Abril. Olho novamente para o valor da multa e parece-me afinal um preço justo. Até parece-me pouco para a quantidade de disparates no currículo nunca punidos. Passem-me para cá a coima e não falamos mais disto.

 

III.

A burocracia precisa de tempo para funcionar de forma eficiente. Vou fumar cigarros para a viatura com vista para a ilegalidade fora-de-horas. E depois recordo-me do sonho da noite anterior. Estava no meu carro, era de noite e na rua a confusão instala-se, alguém tem uma arma na mão, dispara. Ouvem-se dois tiros, perfuram a chapa do carro e instalam-se no meu corpo. Um na perna, outro no peito. Digo aos meus companheiros que fui atingido e tenho de lhes mostrar as balas para perceberem que é verdade. Balas pequenas de metal brilhante cravadas no meu organismo sem uma única gota de sangue à mostra. Olho para a avenida, para os polícias, os carros a parar, os bêbados e percebo que estou a viver o sonho. Quando um carro suspeito é mandado parar à frente do meu, começo a sentir o início do ataque de pânico, um sabor metálico na boca.



afonso ferreira às 20:01 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds