Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009

 

Era uma noite, demasiado quente para o mês de Março. Caminho pela rua à procura da morada. Numa entrada de um prédio vejo um bando de gatos a comer e por segundos imaginei quem seria que os alimentava. Das tigelas subia um vapor de solidão mas podia estar enganado. De súbito, vejo, deitado num degrau, um gato com o corpo num ângulo estranho. Pensei se não estaria morto. Tento chamar a atenção do bicho com pequenos assobios. Em vão. Ao lado do gato morto estava outro de pêlo preto que dá com a pata no cadáver. Pancadinhas suaves. Isto deixa-me alerta. Como se tivesse visto um bando de pássaros silenciar-se, prenúncio de tragédia. Pássaros em terra, tempestade no mar. Ouço passos na rua, duas sombras em movimento, e decido continuar caminho. Só uns metros à frente percebo que o prédio que procuro é o do gato morto. Volto atrás. Acendo um cigarro e olho novamente para o animal. O gato preto continua a dar pancadinhas. Não arreda pé. Inspiro calmamente no silêncio da noite quente. Apago o cigarro e toco à campainha. Subo no elevador do prédio antiquado. Na sala está o velho encenador de cabelos brancos e três elementos da companhia. Fico numa posição desconfortável, o encenador insiste que fique sentada ao pé dele mas isso obriga-me a que nunca veja todos os rostos de uma só vez. Gosto daqueles rostos. De alguma forma apaziguam-me. O velho encenador fala com voz de profundeza escorreita. Ouço a sua respiração de canário, o esforço de quase não vida, aquele silvo no meio das frases. Despeço-me como se fosse a última vez. Saio para a noite a escaldar e os dois gatos estão sós com as tigelas vazias. Um morto, o outro a dar pancadinhas no cadáver.

 



afonso ferreira às 13:08 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De Rita a 17 de Dezembro de 2009 às 15:15
Fiz silêncio a funeral à "Nova York".
O cadáver continua lá?
Todos passam e ninguém viu?
E foi de noite.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds