Sábado, 12 de Dezembro de 2009

 

O taxista não acaba a frase, tira o cinto de segurança, abre a porta e sai. Passadas largas por entre o trânsito infernal, é novo e usa óculos e desaparece. Sem explicação. A porta do condutor fica aberta, a chave na ignição. E eu espero uns segundos. Longos. E tenho o pressentimento, o terrível pressentimento de que tenho de voltar.

Rápido. Sai do táxi, já. Agora. Volta ao sítio onde a deixaste.

As buzinas aumentam, já há um carro a ultrapassar o táxi, a amolgar a jante no passeio. Dois. Três. Agora, pego no telemóvel e ligo, ligo, e ligo mais uma vez. E na frustração crescente (será medo?) penso em galgar o banco da frente e pôr a primeira. Talvez até fechar a porta. Buzinas, buzinas e nada. O carro parado na Praça do Camões, eu sem me mexer e o travão de mão não sabemos se está posto. Segundos, minutos e mais um tempo. E eu desisto. Não me mexo, não quero saber. Amolguem as jantes, berrem, já não posso ver nem bêbados nem taxistas à frente. Respiro fundo, tão fundo, e mesmo assim o ar não chega. Nunca chegará nesta latrina de cidade. Respiro tão fundo que sinto vontade de acender um cigarro. E por pouco não o faço. O caixa de óculos volta intacto e por isso percebemos que o adversário vai estar a papas amanhã. Pode ser que tenha merecido. Ou não. Não diz nada e o carro desliza pela praça. As buzinas cessam. Eu não voltei atrás. Nunca volto e tenho medo. Um medo nos ossos. Eu não sei escrever sobre isto porque há histórias que não se contam. Mas o que nos compele a mencionar pequenas palavras, tão pequeninas, presas por fios finíssimos de baba, pontes entre a realidade e o nosso medo profundo, a quem bate o cotovelo com o nosso e outras coisas para além de bater o cotovelo com o nosso. Eu não posso contar, mas digo-te esta pequena palavra quase inaudível para ter o conforto de ter comungado esta história. Mesmo que não saibas e não a ouças. Há dias procurei, procurei e procurei em vão, um texto que escrevi. A missiva seguiu em tempos para uma pessoa em França que apanhou uns quantos aviões na esperança de um futuro radioso comigo. O futuro nunca aconteceu e o texto chegou ao destinatário e não voltou com certeza, aqui não o encontro. Já abri os armários, espreitei debaixo da cama e na gaveta dos talheres e não descubro a porcaria das palavras. E tenho a certeza que esse texto foi o melhor que escrevi em toda a minha vida. Tenho a certeza porque não o encontro. E não me lembro do que escrevi. E, por não o encontrar e não me lembrar, tenho a certeza, mas mesmo a certeza, de que estava tudo escrito. Tudo o que me faz medo, sem hesitações, nem virgulas a mais e, acima de tudo, porque sabia que não era o meu futuro. E agora, vou ter de escrever outro texto e já não sei se consigo. Há dias em que penso uma coisa e no dia seguinte defendo o contrário e neste entretanto de vida teria de refazer e desfazer o mesmo texto tantas e tantas vezes quantas o vento soprasse. Hoje recebi uma mensagem no telemóvel

"Já regressei (hoje) a Lisboa"

de uma pessoa que já não faz parte do meu quotidiano. E da qual não espero nada, muito menos se chega (hoje) ou não à cidade. Não respondi, tenho a secreta esperança de que seja engano, principalmente a palavra hoje. Mas hoje obriga-me a pensar no meu amanhã. O que não quer necessariamente significar futuro, isso é muito mais tarde (isso é passado). E a pensar que as pessoas da minha vida andam a apanhar muitos aviões. E que eu escrevo cada vez menos cartas. E que gostava de falar de ti no meu amanhã. Mesmo que não diga nada. Faz boa viagem.



afonso ferreira às 01:51 | link do post | comentar
|

4 comentários:
De PRD a 12 de Dezembro de 2009 às 14:48
Que belo texto... eu sabia que tu devias ter um blog, nem que fosse para eu poder ler :-) Parabéns!


De afonso ferreira a 12 de Dezembro de 2009 às 15:08
inauguraste os comentários no blog. nem tenho palavras


De Miss Green a 13 de Dezembro de 2009 às 19:49
E eu vim por arrasto, ou melhor, pelo blog do PRD. Parabéns e boa sorte, que bom que foi o arranque! Prometo acompanhar...


De afonso ferreira a 14 de Dezembro de 2009 às 13:28
Bem-vinda Miss Green


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds