Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

 

 

 

 

Quando o inverno corrompia os ossos e chegava a casa e na aparelhagem tocava o So What a ronronar pelas paredes e nos vidros embaciados pela água a escaldar. A banheira cheia, mergulhava o corpo até à combustão, até o sangue correr na casa-risco-ao-meio gelada, o corredor sem fim à vista, portas à esquerda e à direita. Os quartos com portas interiores e eu a perder-me na casa e em mim próprio todos os dias. O quarto fechado que tinha um balcão de bar dos anos 50 e eu a pensar no que ia fazer à vida com uma bebida a queimar-me as entranhas. À noite sentava-me à mesa e traçava mapas e objectivos. Era a casa a tomar conta de mim, a desfilar memórias, os sobreviventes do horror, as plaquinhas  em hebraico presas na diogonal nas ombreiras, as fotografias baças. Um dia nevou, flocos de neve que se transformavam em água ao bater no solo. Eu na varanda a olhar para o céu e a pensar que nunca tinha nevado na cidade, que a minha desorientação tinha contaminado o tempo, uma epidemia de gelo. A música todas as noites, enquanto mergulhava na banheira e contava os minutos sem respirar, enquanto a casa ficava nas minhas memórias e o Coltrane gravado eternamente na minha banda sonora. 



afonso ferreira às 03:05 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De Bípede Falante a 24 de Maio de 2010 às 04:21
Incrível!


De Teresa Verde a 24 de Maio de 2010 às 21:26
Lindo!


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds