Terça-feira, 25 de Maio de 2010

 

Há um risco calculado em decidir conhecer fisicamente alguém que só conhecíamos virtualmente. Esse encontro pode ser fatal, podemos tropeçar numa paixão, podemos acabar ao estalo, é imprevisível. O que é previsível até à medula é que haveremos de nos enganar vezes sem conta. As amizades – como o amor – partem sempre de pressupostos nossos, não da realidade concreta. Não existindo manuais para lidar com tais situações, que nos ensinem a ver para além das aparências e nos salvem de nós próprios, estamos à mercê do vento. Alguém dizia-me que o ideal era termos forma de conhecermos alguém sem a conhecer mesmo, como escutas telefónicas à pessoa até formarmos uma opinião estável. Como qualquer tentativa de vigia causa-me urticária proponho métodos alternativos. Leitura integral e intensiva das cartas amorosas trocadas ao longo da vida e de toda a biblioteca com especial atenção nos sublinhados. Bisbilhotice ao cabaz de compras no mercado. Avaliação atenta aos animais de estimação, se não existirem tomar em atenção esse factor também. Uma dúzia de vídeos onde a pessoa fale extensamente de vários assuntos, de política à problemática do acasalamento. E depois disso tudo e de muita ponderação, talvez, um dia podemos combinar um blind date.



afonso ferreira às 01:02 | link do post | comentar
|

6 comentários:
De Isa a 25 de Maio de 2010 às 04:31
:) Há um livro muito bom que explica porque é que isso acontece. chama-se decifrar pessoas, versão brasileira. O original é americano. escrito por uma mulher cuja profissão é escolher juris pros julgamentos. n só mas também.


De Cristina Gs a 25 de Maio de 2010 às 07:52
Sim, sim, mas quando não se arrisca nunca se sabe nem o que se poderia ter ganho nem o que não nos faria diferença...:-)


De Anónimo a 25 de Maio de 2010 às 11:29
Transferimos desde sempre a responsabilidade dos nossos actos para outros: natureza, Deus, os outros... mas nunca para nós mesmos. Isso diminui a nossa Liberdade. Não há refúgio para a nossa consciência que vê com clarividência o sofrimento do seu presente (O Inferno são os outros - Sartre) . Este sofrimento é a tomada de consciência de que estamos condenados a ser livres Não abdiquemos da nossa responsabilidade por causa da acção dos outros pois nada mais nos resta: nós somos liberdade e isso é intransferível.
Fala do risco do conhecimento.Se experimentamos a ignorância ficamos ainda pior.


De Anónimo a 25 de Maio de 2010 às 11:30

sou a a anónima mceurodrigues


De Primavera a 26 de Maio de 2010 às 13:02
Ah o desafio que pode ser o imprevisivel !
Já o previsivel dá-me fastio....




De Mar a 29 de Maio de 2010 às 15:34
...que aí, nessa circunstância, já não será assim tão blind...

:-)


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds