Terça-feira, 15 de Junho de 2010

 

Naquele dia o ar estagnou subitamente. Os pulmões fecharam para permitirem o corpo receber a dor industriosa. E quando o ataque amenizou ouviu-se um silvo de desespero, o oxigénio a entrar em golfadas violentas a lembrarem a subida à superfície depois de um mergulho demasiado longo. Naquele dia e naquele instante os dedos procuraram pelas teclas contactos de urgências, de pessoas competentes, do cheiro a formol, bisturis, seringas. É melhor vir, disseram do outro lado da linha e eu fiz a mala ao corpo, duas ou três coisas indispensáveis, coisas para o alimentar, coisas para o manter quente quando entrasse no grande monstro de tantos pisos e corredores cinzentos. Levei o corpo ao sítio correcto, dei entrada dele, apaziguei-o numa cadeira, a aguentar as dores sem um queixume, só aquele silvo horroroso com intervalos cada vez menores. Quando me pediram para apresentar o corpo e tiraram-lhe o líquido, e não conseguiram à primeira, nem à segunda nem à terceira, a seringa perfurava e falhava a veia, uma dor fundia na outra e eu pensava que não era possível perder tanto sangue e ainda estar vivo. E depois disse que não ia dormir, que era impossível ter assim dores e os sonhos atacarem-me mas ficou tudo escuro e eu desapareci no vácuo e até a mão – uma força férrea a prender o telemóvel clandestino –, até isso larguei. Eu não sabia que era possível dormir e sonhar quando estamos a morrer. Eu pensava que não era capaz mas até a mão abri. Muito mais tarde, quando tudo era uma lembrança difusa – uma cicatriz feia mas invisível, não-corpórea –, a veia continuava a doer. Uma coisa minúscula comparada com o disparate do corpo, mas com uma dor maior que toda a tragédia. E doeu muito e tanto quanto a memória permitiu, lembrando amiúde que havia um longo caminho a fazer para perdoar.



afonso ferreira às 02:41 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds