Quarta-feira, 16 de Junho de 2010

 

Na festa apinhada reencontro velhos e novos rostos como se todas as épocas da minha vida se fundissem numa só noite. Recordações com copos na mão e sorrisos alcoolizados, o jantar a deslizar em pista de dança, a noite em exercício de memória e abraços. Ao amigo que já não encontrava há muito e que conta a sua história recente entre pedidos de copos no bar. Depressão, prozac, levantar, cair outra e outra vez. Agora rimos e acabamos abraçados a prometer encontro num futuro próximo à volta de uma mesa com comida e troca indiscreta de impressões do tempo perdido. E depois a uma barriga enorme, a três semanas da hora final, encosto o meu corpo naquele outro tão prenho, uma sensação primordial, e digo-lhe ao ouvido que vai tudo correr bem, o quanto gosto dela e desejo-lhe uma hora pequenina. Porque eu sei que o tamanho da sua tristeza é maior do que o seu corpo todo, que tudo aconteceu ao contrário do que desejava e que muitas ideias feitas desmoronaram. E acabo a noite noutro abraço apertado, em que nada digo, porque sei que o que queres é silêncio. Porque eu adivinho o teu segredo, descobri-o nos teus olhos em pânico, no desespero das tuas frases, tão bem disfarçado nessa falsa alegria de viver que és tão brilhante a representar. Abraço-te e fico em silêncio a detestar-me por saber de tudo e não ter braços suficientes para te dizer que está tudo bem. 



afonso ferreira às 16:23 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De Sandra a 16 de Junho de 2010 às 17:37
Há algum tempo que não ficava com o coração de fora, ao passar por aqui...

SB


De AS a 17 de Junho de 2010 às 00:21
Também a mim... Há muito tempo que o coraçao não me saltava! Parabéns pela captura destes preciosos instantes de cumplicidade! Ao mesmo tempo senti um deja vu. Soberbo!


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds