Quarta-feira, 16 de Junho de 2010

 

Uma noite estranha, quando saímos chovia copiosamente, atravessámos o edifício em direcção ao jardim à procura do carro. Para trás ficou uma inauguração, pessoas, imagens e sons, bebi dois copos e saí em passo de corrida a tentar acompanhar o teu ritmo frenético. Falas muito, dizes asneiras, podias ser meu pai e eu tenho ganho respeito a cada dia que passa. Tenho na cabeça um dilema, urge tomar decisões e para isso é necessário ter a certeza se o meu pensamento está correcto ou padece de verificação. És a pessoa perfeita para essa tarefa e digo-te, meu amigo, raramente ouço alguém, tens de ter algo especial em ti para que toda a minha atenção esteja contigo e pondere cada palavra que dizes. Aproveito a viagem pela cidade à mercê da tempestade tropical para fazer perguntas cirúrgicas com total economia de palavras, não quero dizer uma única a mais. Interessa-me neste momento ouvir. E tu dizes mais do que alguma vez poderia esperar enquanto conduzes como um maníaco pelas avenidas alagadas. Falas-me da obsessão que tem de existir para que um trabalho seja consistente. Indicas-me a obsessão específica de cada um dos artistas, dissecas as particularidades que conduzem trabalho a trabalho para que um dia se possa chamar obra. E dizes muito mais, o suficiente para compreender a essência da obsessão. Aquilo que procurei durante tanto tempo mas que nunca consegui nomear. Para isso teria de te conhecer, esperar a tempestade chegar, percorrer a cidade contigo e ouvir as tuas palavras. No momento em que desligaste o carro e disseste mais uma asneira, eu já tinha colocado tudo em causa.



afonso ferreira às 21:13 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds