Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

 

Ainda não tínhamos chegado ao evento e já me sentia a flutuar. O passeio junto ao rio pejado de estrangeiros a beber cerveja e a ver o jogo do mundial. A França a perder e os tipos quase a chorarem. Depois havia a rapariga bonita a vender flores que fazia beicinho. As pessoas em nervoso crescente porque tínhamos de chegar a horas, como se neste país alguma coisa andasse a par do relógio. Eu a gozar o pratinho secretamente porque não gosto de ofender pessoas nervosas e convictas. Despejamos umas imperiais e eu via tudo menos o futebol, porque o exotismo acertou-me em cheio, não havia compatriotas na esplanada nem no passeio, e, subitamente, pareceu-me que estava numa cidade do sul com uma grande tempestade a aproximar-se. Quando chegámos ao evento comecei a pairar. No bar o empregado está desconsolado porque o que não falta são garrafas. Copos é que não. Ficamos os dois a olhar um para o outro e ele saí-se com esta, está à espera que as pessoas voltem com os copos. Olho para o grande evento ao fundo, debaixo da ponte, os contentores, a estrutura que nunca ninguém descobriu para o que serve, parece uma Sydney rasca em miniatura, olho outra vez para o gajo e sorrio enquanto penso estas merdas só a mim. Rodo os sapatos e sigo para o grande evento. Os contentores fechados, milhares de pessoas a chegarem, vejo gente a vir da embaixada, vejo plumas, vejo o chão de gravilha, péssimo para saltos, vejo aquilo tudo e não vejo nada. Depois um estoiro e mais um. Os estoiros ficam a animar o evento. Damos a volta aos contentores. Nada. Só gravilha e pessoas. Parece que são gravações de máquinas de lançamento de bolas de ténis. E eu sem a minha raquete electrificada. Está um vento de feição que é uma maravilha. Bom para velejar. O ruído da ponte a marcar o tempo e a máquina de bolas a disparar. Dou por mim a pensar que é a maior desgraça a que já me lembrei de comparecer ou a melhor de todas. Depois olho com atenção para aquilo tudo e não tenho dúvidas, é realmente a coisa mais bizarra a que já fui nesta cidade. 



afonso ferreira às 05:46 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds