Segunda-feira, 21 de Junho de 2010

 

...e antes que já não haja tempo e o corropio nos apanhe desprevenidos, eu confesso, e como não o posso fazer aos teus ouvidos em palavras aveludadas em que daria pequenos estalinhos com a língua para enfatizar os pontos menos importantes, porque se assim fosse o mais certo era já não dizer nada e fechar os olhos para sentir melhor, é preferível que avance sem hesitações, talvez comece por dizer que é minha convicção sermos mais livres se vivermos em vez de projectarmos essas ideias insanas que nos abrigam a obedecer, que não seriamos felizes se não fizéssemos assim ou assado, que nos faltaria uma parte vital, como o baço ou um pulmão, sei lá, se não obedecermos à ordem estabelecida, de nascer, conceber, parir, moer o juízo a toda a gente e morrer sem grande alarido, e essa outra tão moderna, do amor ser uma coisa definida que não há anormal que não saiba enumerar quando nasce e morre e o que é preciso para ser um grande romance, e não há estafermo que lembre que a noção de amor romântico nem sequer existia há umas décadas atrás, e assim como assim, empaturramo-nos de filmes tão prenhos dessa noção suburbana de viver às colheradas, dizem eles que é viver, mas, sinceramente, penso que podemos fazer melhor do que isso, ou então tragam-me o revólver porque isto é uma chachada, e talvez aproveite para contar também agora que não acredito na vida depois da morte, e se estiver errado depois logo vejo quando chegar ao céu que é o inferno que mereço com certeza, mas dizia eu, talvez pudéssemos fazer melhor, poderíamos pensar nisso, haverás de pensar que falo muito, mas vais demorar algum tempo a perceber que é bom sinal, o pior é quando me calo, quando as palavras secam em mim e nada encontro para dizer, quando a preocupação em mim morre e por vezes vivo num silêncio tão grande que é impossível voltar atrás, é como se tudo estivesse dito e não houvesse palavras a acrescentar, portanto deixa-me dizer isto, antes que feche os olhos para sentir melhor e já não haja tempo para ouvir e nessa agonia de falarmos e não ouvirmos grandes coisas ficarão por dizer ao ouvido um do outro.



afonso ferreira às 01:46 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds