Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

 

Foi uma conjugação de coisas. A conversa sobre as scuts, os dois de óculos escuros na marginal a caminho da praia. Eu a perceber a extensão do negócio do ex-assessor. O quê? Também tenho de comprar o aparelho? Mas eu não vivo no Norte! O gajo é um génio. Depois foi a entrevista ao Alfredo Casimiro na Pública onde relata todo o caminho percorrido até descobrir aos trinta anos que era milionário. Ao fim do dia, vínhamos nós na fila morna em direcção à capital, tive uma epifania enquanto olhava para o segundo acidente. O meu caminho não está na literatura, não passa por escrever para a gaveta, ter fome e correr o risco de viver debaixo da ponte. Eu quero ser rico, bem sucedido, condecorações do presidente e essas tretas todas, um vulto na cultura, que os gajos que me bateram na escola primária vomitem de inveja. Acho que estão a perceber a ideia. Para isso é necessário encontrar a minha própria scut. O mais complicado por vezes é ter a ideia, uma vez definida, o objectivo parece de uma simplicidade atroz. Nem sei como  é que nunca me tinha ocorrido isto. Vou dedicar-me às telenovelas e conquistar o meu quinhão. Ao chegar à cidade já tinha engendrado o primeiro esboço do argumento. A personagem principal é o anti-herói por excelência. Terá doses cavalares de falta de sexo, diálogos de chorar por menos, facadas dos amigos a torto e a direito, amores platónicos degradantes, medicação assistida e uma previsibilidade em todo o argumento do início ao fim que não deixará o espectador indiferente. Conto matar a personagem principal a meio da telenovela, com direito a um funeral rasca e poucos choros. A forma como vou continuar a saga sem o palhaço é o twist perfeito para que ninguém se esqueça da minha obra. Estou a pensar roubar o nome O Idiota ao Dostoiévski – é curto e fácil de lembrar, afinal idiotas há muitos e é raro não conhecermos um ou dois, senão muitos. Primeiro capítulo em preparação.


Arquivado em:

afonso ferreira às 00:19 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De Maria Pascoal a 15 de Abril de 2011 às 10:35
Esta é sem dúvida alguma a descrição para mim mais fiável de tudo o que se associa a uma telenovela...com os condimentos todos..lol..qual deles o pior na minha modesta opinião...e que são parte integrante...(eu nem consigo escrever ..pois estou literal/ perdida de riso...)...e ponto final!!!

Tenho que confessar que adoro ler o "Homem na Cidade"...acho absolutamente Genial pelo que escreve e acima de tudo pela mensagem que passa...é de Mestre!!!

Maria Pascoal


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds