Terça-feira, 10.04.12

O carro a rolar pela baixa, noite, semáforos, pessoas.

 

Eu – Depois de passarmos uma noite com os sem-abrigo nunca mais olhamos para a situação da mesma forma.

Ele – ...

Eu – Olha a lua, incrível.

Ele – E o dinheiro que empataram no TGV? Nunca mais vai ser recuperado.

Eu – ...


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:16 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Segunda-feira, 04.10.10

Ao jantar.

Homem 1 – Mas, então não concordas que certos actos devem ser punidos?

Homem 2 – Desagrada-me a ideia de vingança. Quando retalias da mesma forma tornas-te igual a eles.

Homem 1 – Mas a vingança também pode ser uma forma de justiça. Poderá ser uma forma de evitar que o mesmo crime aconteça outra vez.

Homem 2 – Prefiro acreditar que não há nada que não tenha o seu castigo merecido, mais cedo ou mais tarde.

Homem 1 – Mas deus não existe. E se no fim houvesse sempre um castigo, não estaríamos a ter esta conversa. Este diálogo prova que a maior parte das vezes não há castigo nenhum. Esse é que é o problema.

Homem 2 – Mas existe a tua consciência. A vingança nunca é solução.

Homem 1 – Sendo assim, estás à mercê de qualquer pessoa ou situação. Se alguém prejudicar ou insultar não será punido. Se isto acontecer a ti, e se não for um caso de polícia ou tribunal, a tua única resposta será não responder?

Homem 2 – Depende do caso...

Homem 1 – Se fores insultado publicamente, sem razão nenhuma, por exemplo? Não dirás nada?

Homem 2 – Já aconteceu. E reagi, mas não considero isso uma vingança.

Homem 1 – Se reagiste estás a dar-me razão. Embora eu não dê a mesma conotação negativa à palavra vingança. A vingança poderá servir para aplicar a justiça nalguns casos. Será a forma de reacção que define a justeza de resposta.

Homem 2 – Naquele caso acho justo ter enviado os homens.

Homem 1 – Os homens?

Homem 2 – Sim. Angolanos.

Homem 1 – ... ?

Homem 2 – São bastante eficazes e discretos. Nunca mais tive chatices. Se tiveres algum problema dou-te o número.

Homem 1 – Mas eu não acredito na violência.

Homem 2 – Olha que às vezes uma coça resolve muita coisa. É limpinho. Tens é de contratar os gajos certos.

Homem 1 – ...


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:08 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quarta-feira, 09.06.10

 

 

 

De manhã, com a chuva a cair na janela.

 

Ele - Pensas que temos futuro?

Ela - Como individuos, ou juntos?

Ele - Nós, os dois.

Ela - Provavelmente não.

Ele - Parece-te que é uma questão de estatística?

Ela - Não, de volatilidade.

Ele - E se casássemos?

Ela - Com quem?

Ele - Um com o outro.

Ela - Não acredito no casamento. 

Ele - E se fosses gay?

Ela - Só se fosse para protagonizar o primeiro divórcio no país.

Ele - Amo-te.

Ela - Não digas isso.

Ele - Achas simplista?

Ela - Demasiado complexo.

Ele - Queres casar comigo?

Ela - A última vez que decidi casar descobri que ele era um nabo.

Ele - Começo a acreditar no futuro.

Ela - E se nos cingíssemos ao sexo e à literatura?


Arquivado em:

afonso ferreira às 01:55 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quarta-feira, 24.02.10

Na esquadra à conversa com o polícia.

 

Polícia - A sua fotografia da carta de condução está radicalmente diferente da do cartão de cidadão.

Eu - É o penteado. A fotografia já tem alguns anos.

Polícia - Não é só isso, o rosto também. Só os olhos estão iguais.

Eu - É grave?

Polícia - Não se preocupe não o vou multar.

Eu - Por causa do meu aspecto ou porque não tenho a morada igual nos dois documentos?

 


Arquivado em:

afonso ferreira às 18:01 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 19.02.10

 

Marcos Perestrello – O teu superior hierárquico [Rui Pedro Soares] foi para Barcelona ou Milão...
Paulo Penedos – Não, está no Algarve. Não foi para um sítio, nem para outro.
MP – Mas depois vai, acho eu.
PP – Vai para Milão, segunda-feira. Vai-se lá encontrar com o Figo, para com ele celebrar uma coisa um bocado pornográfica, mas pronto.
MP – Que é o quê?
PP – Eh pá … só te posso dizer se tu não disseres a ninguém. Se disseres, não te posso dizer.
MP – Se quiseres dizer, dizes! Se disseres que não é para dizer a ninguém eu não digo.
PP – Não, não digas que é uma coisa… Ele há dias disse-me, muito contente, que tinha conseguido que o Figo apoiasse o Sócrates e eu disse ‘boa e tal’, claro que é importante. E hoje ligou-me a pedir que eu lhe fizesse um contrato de patrocínio para a Fundação Luís Figo, à razão de 250 mil euros por ano.
MP – Pois, imagino…
PP – Ah?
MP – Claro, claro. E isso, aliás, vale muitos votos! Essa merda em subsídios de desemprego…
PP – Ah?
MP – Isso em subsídios de desemprego…
PP – Eh pá, mas ouve-me… O gajo conhece toda a gente e mais alguma e toda a gente em que ele tropeça, do mundo da bola, de repente estão a apoiar o PS e o Sócrates, mas depois todos têm por detrás contratos…  todos têm contratos… Até deve ser alvo de alguma risota, não é.
MP – Por acaso não me deram o nome do Figo para os tempos de antena das personalidades para depor!
PP – Pronto, faz-te de novas que o nome vai-te aparecer, só que o apoiante espontâneo e fervoroso primeiro deve querer assinar o contrato, não é?
MP – Sim, sim, vamos ver se depois aparece, se é como outros que eu cá sei que acham que é melhor não darem a cara. Acham que é melhor não darem a cara, abrem uma coisa ali, outra ali.
PP – Exactamente …
MP – Ai..., não aprenderam nada ainda.

Sol revela as conversas mantidas entre Marcos Perestrello, membro do Secretariado do PS e actual secretário de Estado da Defesa, e Paulo Penedos, membro da Comissão Nacional do PS e advogado na PT, exercendo funções na dependência do administrador executivo Rui Pedro Soares, sobre o apoio de Luís Figo à candidatura de José Sócrates aqui.

 


Arquivado em:

afonso ferreira às 10:55 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 12.02.10

 

No balcão dos CTT a despachar umas cartas e à conversa com o funcionário.

Ele: Então, não quer aproveitar para levar uma prenda para o Dia de São Valentim?

Eu: Nem pensar, abomino esse dia.

Ele: Não me diga. É apenas um pretexto para trocar prendas...

Eu: Precisamente, é o consumismo associado à data que não gosto.

Ele: O Dia de São Valentim é quando o homem quiser.

Eu: Que horror.

Ele: Tenho a certeza que gosta de receber prendas... E se lhe oferecesse um Mercedes?

Eu: Hum, não, não me convence. Só se fosse um BMW.

Ele: Vê? Eu tinha razão. Não há ninguém que não goste de prendas.


Arquivado em:

afonso ferreira às 01:28 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quinta-feira, 04.02.10

 

No restaurante japonês junto ao rio. A chover.

 

Ele: Não percebo como é que duas pessoas como nós, tão parecidas, estão sozinhas, não estão juntas.

Ela: Não consigo voltar atrás. Tenho realmente de sentir.

Ele: Vamos dar o último beijo?

Ela: Enviei-te uma carta enorme e respondeste-me com duas linhas...

Ele: Eu estava em viagem...

Ela: Quando partir achas que é possível continuar as consultas com o psiquiatra pela internet?

Ele: É mesmo o último beijo.

Ela: já decidi que quando for embora vou só levar uma mochila pequena e o portátil. Vou deixar tudo para trás.

Ele: Fazes bem.

Ela: A mochila ou o psiquiatra?


Arquivado em:

afonso ferreira às 22:49 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 28.01.10

 

Domingo. O carro a deslizar pela marginal. Trânsito e gaivotas.

Ela - Queres casar comigo?

Ele - Humpf...

Ela - Não queres?...

Ele - Quero. Mas só quando me perguntares um vez só. Quando perguntares a sério.

Ela - Mas é um pedido sério...

Ele - ...

Ela - Eu peço-te em casamento todos os dias mas nunca tinha pedido ninguém...

Ele - ....

Ela - A sério.

Ele - Todos os dias não vale.

Ela - ... 

Ele - Só aceito quando perguntares uma vez, quando for verdade.

Ela - Queres casar comigo?

Ele - ...

 

 

 



afonso ferreira às 21:00 | link do post | comentar
|


Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

Monólogos a dois

Conversas de caserna #7. ...

Conversas de caserna #6. ...

Conversas de caserna #5 ....

Conversas de caserna #4 ....

Conversas de caserna #3 ....

Conversas de caserna #2 ....

Conversas de caserna #1 ....

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds