Sábado, 07.07.12

Cidade feita por chineses em Luanda tem tudo, menos pessoas.


Arquivado em:

afonso ferreira às 02:09 | link do post | comentar
|

Quarta-feira, 01.09.10

 

Combinámos encontro no centro da cidade, manhã cedo, com o calor a morder-nos os calcanhares e os pombos balofos a cirandar no céu. Para Chinatown é preciso sair do perímetro central e conduzir para norte, o carro a arranhar o alcatrão, nós a assobiar música de circo. Chegando é só escolher o nome mais inspirador, Êxito completo ou Capital esplêndido, e entrar. É o reluzente optimismo amarelo na sua melhor manifestação – começa na escolha do nome, continua no gato dourado de pata no ar a abanar à porta das lojas e acaba num desejo desenfreado de planearem singrar num país no fim do mundo sem saberem dizer uma única palavra. Há de tudo e para todos os gostos. Bicicletas com motor, detergente Lagarto, relva sintética, papel autocolante a fingir mármore, sombrinhas de renda, bonecos a pilhas, relógios com música e flores de plástico. Encontro raquetes electrificadas às dezenas e por pouco não escorreguei na tentação de trocar a minha por um modelo mais recente. Ao entrar num restaurante sou atingido por um soco no estômago, afinal não fazia ideia do que era a comida chinesa, tanto tempo enganado. Sinto-me tão estrangeiro, o dono do restaurante não fala a minha língua e eu não falo chinês, o rapaz do armazém nem a palavra obrigado conhece. No meio da minha errância encontro o homem dos extintores e penso que é ele o meu salvador, que terá um mapa à espera da minha desorientação linguística. Indica-me as únicas pessoas que falam português, por acaso apenas mulheres, mas uma não a encontro e a outra fala um português fraco arraçado de italiano. Há um labirinto intransponível em Chinatown, saio de mãos à abanar sem conseguir atingir o meu objectivo. No regresso à cidade planeio novas investidas. Hei-de vencer ou perecer, não admito menos do que isso. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 21:51 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 05.07.10

Ilha do Sal


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:04 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

Segunda-feira, 08.02.10

 

A Letónia vendeu recentemente uma cidade inteira que foi usada como base militar soviética no passado. A cidade deserta, conhecida como Skrunda-1, foi vendida em leilão e arrematada por uma empresa russa, Aleksejevskoje-Serviss por US$ 3 milhões, cerca de dez vezes o preço esperado. A cidade inclui 45 hectares de terra, dez prédios de apartamentos, duas casas nocturnas, um shopping center, um jardim-de-infância, um circo de pulgas, um quartel e uma sauna. Situada a 150 km a oeste de Riga foi abandonada depois dos soldados russos abandonarem a Letónia, em 1994, depois da desintegração da União Soviética. Skrunda-1 era um povoado fechado, que não aparecia nos mapas soviéticos porque era usado como base para radares antimísseis. A base foi demolida no final da década de 90. Foi depois da demolição da base que alguns dos habitantes recusaram-se a deixar a cidade e planearam novos edifícios no local. As construções só foram descobertas depois do leilão. No total foram descobertos 85 km de construção subterrânea com vários edifícios, estufas, uma clínica de fertilidade, uma biblioteca com dez pisos e uma universidade. A maioria dos habitantes continuou a agir como se estivesse em plena guerra fria criando para o caso de um eventual ataque cinco saídas subterrâneas para a floresta em redor. A população ascendia às 5500 pessoas e era auto-suficiente em termos de alimentos e energia. Parte delas desenvolveram um dialecto próprio recusando-se a falar a língua antiga. Por agora as notícias têm sido escassas sobre o futuro de Skunda-1.


Arquivado em:

afonso ferreira às 21:25 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|


Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

elefante branco

Viagem a Chinatown

Futuro próximo

Outras cidades

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds