Sábado, 12.03.11

  

Quando digo a morada não sente pudor em revelar desconhecer a localização. Preparo-me para uma viagem difícil. Dou mais indicações, situo a zona, ofereço o trajecto mais indicado, menciono nomes de ruas e restaurantes. Faz um sorriso e pede-me o número da porta. 23. Vamos para o 23. Ahhhh, diz ele todo contente. Liga o GPS e parece genuinamente interessado em saber todas as informações.

Duas ruas depois, o telemóvel toca e com o mesmo sorriso atende a chamada e fala durante uns longos minutos enquanto atravessamos ruas, noite, sinais e chuva. Quando desliga decide que somos amigos e conta-me o telefonema. Era o amigo a comunicar que chegou bem a Espanha. Tudo a correr como o esperado. Vai lá casar. Mas quer saber o melhor?, pergunta ele, todo amizade para aqui, amizade para acolá. Vai casar por dinheiro. Aqui arrebito as orelhinhas, que histórias a vulso é pura gasolina para andar a passear pela vida e esta parece bastante promissora. Diz-me que o seu amigo vai casar por dinheiro? Isso já não está em desuso?, provoco para puxar o cordel à história. Não é preciso atirar-me aos nabos na púcara, o meu novo amigo taxista quer contar tudo.

Pois, por dinheiro, uma mulher ofereceu-lhe dinheiro para casar. Mas isso é tudo amor ou desespero? Nem uma coisa nem outra, é para ter papéis. Ahhhh, percebo, hum, hum, e seria muita indiscrição perguntar por quanto fica um matrimónio nessas condições? Nenhuma indiscrição, caro amigo, 5 mil euros é a quantia em jogo. 5 mil euros? Isso está em saldos ou é a crise? É o valor estabelecido, 5 notas das grandes, vai a Espanha e volta de anilha. Acho barato, uma pechincha. Eu já pensei nisso, se estivesse num aperto... mas não seria capaz. De Espanha, nem bom vento nem bom casamento. Acha? É uma expressão. Ahhhh, nunca tinha ouvido, não foi alguém que casou por dinheiro, pois não? Não, mas foi um casamento arranjado... espere, pensando melhor também foi por dinheiro e papéis. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 01:41 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Segunda-feira, 07.03.11

 

Revista Antral de Nov/Dez de 1996, via Motor Clássico.


Arquivado em:

afonso ferreira às 23:02 | link do post | comentar
|

 

No encosto do lugar do morto, um pequeno cartaz – Livros da autoria de um profissional ao volante. O profissional, de sua graça António Sequeira Lente, vende os seus livros aos passageiros entre dois dedos de conversa e uma viagem pela cidade. Memórias de trovador e Trova dos ventos hermínios estão disponíveis em promoção, o pack de dois a preço simpático, mais barato que a corrida, diz o autor. Eu, que já tinha planeado seriamente lançar um livro num taxi, em homenagem ao tempo que passo a escrever em rodagem pela cidade, nunca tinha ponderado vender o mesmo a toques de bandeirada. Este homem é o melhor especialista em marketing editorial que encontrei em muitos anos, mete os Booktailors num chinelo.


Arquivado em:

afonso ferreira às 20:39 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 08.02.11

 

 

 

Dei a morada e encostei-me ao reflexo da cidade na janela. Que pensava eu de tão importante para não dar pela música? Nem pelo trá-lá-lá, nem por nada, para dizer a verdade. Quando regresso tenho o Fausto no rádio e o taxista a cantar a letra, baixinho em movimento sincopado com a condução. Nos intervalos assobia a acompanhar a melodia. Quando a música acaba, diz em forma de pergunta – E amanhã, temos chuvinha, hã?


Arquivado em:

afonso ferreira às 03:15 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 07.12.10

O taxista conduzia bem, com segurança, e não só sabia qual era a rua como os atalhos.


Arquivado em:

afonso ferreira às 16:26 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 01.11.10

 

Avançamos por uma cidade entupida de chuva e acordos orçamentais. O pára-brisas à beira do colapso, cidade cinzenta e escura num meio-dia acabrunhado. O taxista está satisfeito com o serviço, o destino da corrida é perto da sua casa, um bom motivo para almoçar com a mulher. Aproveita para dizer que casou há quarenta anos na Basílica da Estrela. Um casamento de quatro décadas, coisa rara nos dias que correm, penso, e, para mais, vejo um homem ainda apaixonado. Fala pouco dele, diz apenas que é um homem abençoado, mas da mulher era só darem-lhe a tarde toda, assunto não lhe falta. A forma como ela toca piano sem nunca ter tido aulas, a paixão dela por antiguidades, os dois filhos que tiveram, a escola primária onde andou, as aulas de filosofia que dava. É um homem abençoado ao contrário do cunhado que já casou cinco vezes. Tantos casamentos e nada nas mãos. Aqui entre nós, que ninguém nos ouve neste maldito dilúvio, diz ele, enquanto o taxi luta com a enxurrada, lama e desespero nas estradas, parece-me que ele é um mau homem


Arquivado em:

afonso ferreira às 18:28 | link do post | comentar
|

Quarta-feira, 29.09.10

 

Hoje foi a vez de ouvir a teoria dos carros em segunda fila. Segundo o taxista – óculos tartaruga encavalitados no nariz aquilino, cabelo cortado à escovinha, ágil nas ultrapassagens –, se o estacionamento em segunda fila acabasse resolvíamos o problema do trânsito em Lisboa. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 00:55 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

Segunda-feira, 30.08.10

As acções de cada pessoa são boas ou más consoante a maneira como as outras as comentam.
Camilo Castelo Branco (1825-1890) in Taxi TV



Arquivado em:

afonso ferreira às 16:34 | link do post | comentar
|

Sábado, 21.08.10

 

O cansaço era tanto que vinha a dormir de olhos abertos arredado do mundo. Só despertei quando travámos com violência e ouvi o taxista a vociferar. Em contramão, directo a nós, outro carro. Ao volante, um taxista idoso a transportar uns estrangeiros. O meu taxista reconhece o outro. Trabalha noite e dia sem descanso. Quando estaciona o carro nas praças de táxis adormece sempre. Ao contar a história do outro homem acaba por revelar um pouco a sua. Nos dias que correm de feição só trabalha catorze horas e descansa as restantes. Não sabe como é que o outro está vivo e eu penso que é um mistério não estarmos todos mortos. Eu pergunto aos meus botões que problemas corroem aquele homem que justifiquem no fim da vida trabalhar até morrer. Um tipo anda todos os dias em estradas traiçoeiras e, pior ainda, aviões. Eu, que não tenho medo nenhum de subir às alturas, dou por mim a pensar muitas vezes que talvez tenha alguma razão quem defende que se deus nos quisesse a voar tinha oferecido um par de asas. E, vai daí, uma pessoa vai pensando na morte, ou pelo menos que a devia evitar, e nos aviões que caem e nas tragédias de sempre, terramotos, cancros e afins, e quando menos espera pode ser morto a dois passos de casa por um homem que não dorme.


Arquivado em:

afonso ferreira às 05:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 09.07.10

 

Cortaram as ruas na cidade por causa da manifestação na Assembleia da República e isso fez-me perder tempo. Entrei no taxi e fiquei contente por ter ar condicionado. A manifestação foi o mote para o início da conversa. Talvez na casa dos sessenta e cinco, cabelos brancos, a cantarolar. Retrato do taxista do dia. A primeira frase deixou-me a olhar para a janela e a pensar que era só o que faltava, apanhar com um reacionário numa altura destas. Tenho o stress a manifestar-se nas veias, o dia não está a correr bem, estou farto, mesmo farto de tudo mas nada digo. Continuo a arrastar o corpo de reunião em reunião, de trabalho em trabalho, de taxi em taxi. Esta semana senti-me mal duas vezes, sempre dentro de carros, e agora este gajo, um reacionário a dizer que estes tipos das manifestações são uns miseráveis. A dizer isto a mim que estou com uma vontade louca de ir gritar palavras de ordem para um sítio qualquer. Eu só quero é gritar e mas fico em silêncio. Eu devia ter desconfiado quando ligou ao filho e chamou-lhe filhote. Eu devia ter desconfiado que ele era das pessoas mais inteligentes com que me cruzei na cidade. Este homem não é um taxista, é um actor a declamar o papel da vida de todos os dias, a gozar com este Portugal pequenino, a achincalhar com o discurso da taberna aos bancos de jardim, a oferecer a digestão numa bandeja de prata. Uma lição rara de humor e inteligência. A conversa continuou com a pensão da viúva do Salgueiro Maia, a CGTP, os cargos vitalícios. No fim da corrida conversávamos animadamente. A teoria dele de fuzilamento em forma de código de barras para poupar balas, a defesa de que ninguém desconfia o que foi a revolução. Nessa altura já eu ria descontrolado a ver os olhos dele pelo espelho retrovisor. No fim despediu-se dizendo se descobrir o que é isso do 25 de Abril avise-me! 


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:43 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|


Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

O valor do matrimónio

Augusto Macedo

O taxista escritor

Menina estás à janela

Inédito

O mau homem

Ouvido no táxi

Grandes citações em peque...

O homem que não dorme

Taxistas

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds