Domingo, 31 de Outubro de 2010
noites longas

O homem teve uma acidente na praça. Mota deitada no asfalto, o corpo sentado no empedrado, ossos à mostra. Talvez óleo, talvez os trilhos dos eléctricos. Lembro-me dessa noite no restaurante, conversas, comida e vinho, do acidente, de quem estava à mesa. Uma já morreu, outro esteve por um triz, e não éramos assim tantos. Alguém foi embora e uma das amizades está agora em perigo. Foi uma longa noite, parece que foi ontem que tudo aconteceu. 



publicado por afonso ferreira às 15:40 | link do post | comentar

1 comentário:
De Anónimo a 31 de Outubro de 2010 às 17:23
Comentário apagado.


De afonso ferreira a 1 de Novembro de 2010 às 23:15
Grande poema. e muito apropriado aos dias que vivemos.


Comentar post