Quarta-feira, 17 de Março de 2010

W. Robert Moore

 

I.

São poucas ruas, deve ser das freguesias mais pequenas de Lisboa, mas cabe o mundo inteiro no meu bairro. Temos o castelo, palacetes, igrejas, quartéis, prisões, xafaricas, miséria e uma vista incrível para o rio e o mundo. O meu bairro é como os balcãs, têm mais história do que aquela que consegue digerir. Acordo todos os dias a passos onde o meu pai morou muitos anos antes de eu ser gente. Um dia mostrou-me a janela do seu quarto quando era estudante. Não é uma janela qualquer, fica situada numa torre com ameias do quartel que foi desactivado recentemente. Por baixo da janela havia soldados armados e uma guerra amarga a decorrer ao longe enquanto ele destruía lentamente os olhos a estudar direito e a salvar a vida. No mesmo sítio ficaram alojados os pais e os avós de um amigo quando regressaram à metrópole depois do 25 de Abril. Neste quartel ficaram muitas famílias a viver durante anos a aguardar que a vida prosseguisse. Umas ruas abaixo, na prisão do Limoeiro, esteve o avó de outro amigo. Por razões políticas esteve nos calabouços mais tempo do que com a família. Hoje uma das netas é deputada. Durmo por cima de um teatro romano que ainda vai esperar muito tempo até ver a luz do dia. Passeio todos os dias pela história apagada, pelas ruas da antiga judiaria que viu massacres sem fim e a destruição de todas as suas sinagogas até não restar nenhuma. 

 

II. 

No meu bairro não existem edifícios novos, os mais recentes datam dos anos 40. O edificado oscila entre o preservado e a ruir, não há meio termo. Todos os edifícios, todas as ruas, todas as pedras têm uma patine única. Há segredos escondidos em todo o lado. Atrás de fachadas sem interesse, que mais muros parecem sem janelas para a rua, escondem-se pátios e escadarias ornamentados com flores. No armário das especiarias do restaurante onde vou todos os dias esconde-se a porta por onde o Marquês de Pombal emergia dos túneis subterrâneos para passar as noites com a amante no convento. A minha rua é a representação perfeita que persiste da sociedade portuguesa. Começa no castelo, morada de reis, continua com os palacetes com piscina e jardim, prolonga-se nas casas com preço proibitivo da classe média-alta com vista desafogada para o rio e cozinhas design, desliza pelas casas com história morada de escritores e artistas com direito a placa comemorativa e finaliza na fiada de prédios de origem humilde. Como num filme antigo do Vasco Santana houve quem ensinasse ao cão dos prédios humildes a ir sozinho à rua. Abrem a porta do prédio e lá vai ele, todo contente e bem ensinado, rua acima defecar à zona dos ricos.

 

III.

O bairro é uma aldeia cheia de gente. Os palhaços malabaristas da escola circense, os estudantes de arquitectura, as filmagens, os artistas de rua, os soldados. Os futuros juízes a carregar as malas prenhas de livros, os namorados no banco do largo. Os turistas de todos os cantos do mundo a desfilar diferenças anatómicas, a soletrar o nome das ruas, a tentarem coincidir os nomes com os mapas, os turistas perdidos que encaminho todos os dias. A maior bebedeira que apanhei no bairro foi a beber gins com a minha vizinha de 70 anos. A minha vizinha que agora precisa de ajuda para poder sair. E como a vida é feita de ciclos preciosos, um dia destes em vez da ambulância à porta deparei-me com uma bola perfeita ligeiramente empinada em direcção ao céu. Vai nascer um bebé no meu prédio. Será a quinta criança a viver aqui e a contrariar a grande fuga para a periferia que esvazia a cidade de vida. 



publicado por afonso ferreira às 12:43 | link do post

De senhor tocas a 20 de Março de 2010 às 11:55
rua da saudade?


De afonso ferreira a 20 de Março de 2010 às 22:10
exacto


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

arquivos

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

correspondência epistolar

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
subscrever feeds